Gente que Cuenta

Petra Corneta,
por Luli Delgado

Luli Delgado 1 e1719419676130
“Uma vez decidi escrever um romance, mas rapidamente percebi que não era a minha praia…”

leer en español

      Na minha infância não existia o que hoje se chama de bullying. Era chamado de “chapa” e dizia-se que as pessoas que sofriam com isso tinham uma “chapa montada“.

Eu era chamada de Petra Corneta, que era uma personagem de um programa infantil que era, diríamos, a burrinha da sala, aquela que não aprendía a ler, que sempre errava. O que acontecía era que eu só sabia ler no meu livro a história do pequeno índio Hiawatha, que sabia de cor…

Em algum momento, ser Petra Corneta me pareceu o fim da picada, mas como o que queima cura, a partir de determinado momento serviu de incentivo para que eu me colocasse em uma posição que não aceitaria nem remotamente a tal “chapa.” Foi assim que Petra Corneta evaporou e descobri que conseguia escrever sem muito drama.

Acho que ler e escrever andam juntos e sempre gostei muito das duas coisas. Além disso, sempre teve um ingrediente super importante: o meu hábito de falar sozinha em voz alta, que mantenho até hoje. Quando você fala consigo mesmo, você constrói histórias que podem ou não ser boas, mas que estimulam a mente. Até histórias derivadas do que lia, de um personagem de um livro ou filme.

Uma vez decidi escrever um romance, mas rapidamente percebi que não era a minha praia e por isso só escrevo crónicas curtas. Juntando várias delas consegui terminar dois livros que, como uma colcha de retalhos, juntas mostram muito mais do que cada uma conta.

Ainda, vale dizer que decidi estudar comunicação social, o que sem dúvida me ajudou a afiar o lápis ao longo de quarenta e tantos anos de profissão, e não me dei tão mal.

Hoje ninguém mais me chama de Petra Corneta, e, sem falsa humildade, acho que é algo que ganhei com muito esforço, como tantas outras coisas na minha vida, porque, como vocês devem saber, as conquistas não vêm de brinde nas caixas de sucrilhos

IMG 8842
Luli Delgado es periodista venezolana, Master en Artes de Cine y  Video – por The American University, Washington, DC.
Fue Directora Ejecutiva de la Fundación Andrés Mata de El Universal de Caracas, y Gerente del Centro de Documentación de TV Cultura de São Paulo. Es autora de varios libros y crónicas.
delgado.luli@gmail.com

da mesma autora

3

Compartir en

    ¡Assine a nossa Newsletter!