Gente que Cuenta

Defina o preço – Roberto Managau

Acorazado alemán Admiral Graf Spee

leer en español

Uma das batalhas navais mais famosas, durante a Segunda Guerra Mundial, aconteceu na costa de Punta del Este, no Uruguai. O encouraçado alemão de “bolso”, Admiral Graf Spee, enfrentou-se em batalha contra 3 navios britânicos, Ajax, Achilles e Exeter, na chamada Batalha do Rio da Prata, em dezembro de 1939.

Gravemente danificado, o Graf Spee dirigiu-s

e ao porto de Montevidéu para tratar dos feridos e realizar os reparos necessários no navio para enfrentar o inimigo que o espreitava à distância novamente.

A tensão era total em Montevidéu e o governo uruguaio recebeu uma forte pressão dos beligerantes, aliados e alemães. No entanto, a decisão do governo, neutro durante a grande guerra, é autorizar o enterro dos 36 marinheiros alemães mortos em combate, tratar humanitariamente dos feridos e dar 72 horas para que o encouraçado se retire do porto de Montevidéu.

Horas antes de ouvir a referida resolução, o capitão alemão Hans Langsdorff chegou ao escritório da Doca Regusci-Voulminot para solicitar ao proprietário, as providências necessárias para reparar o navio. O diálogo entre Alberto Voulminot e Langsdorff ocorre em um francês impecável. O capitão alemão mostra-lhe um cheque em branco e pede-lhe que o preencha com o valor que considerar. Voulminot responde negativamente explicando que não se trata de dinheiro, mas de dignidade.

Para saber as razões, é preciso voltar a 1870, quando durante a guerra franco-prussiana, a Alsácia, departamento francês, foi invadida pela Alemanha. Vários civis, incluindo Voulminot pai, morrem em combate defendendo a pequena cidade em que viviam. Essa história marcou aquela família por gerações. Voulminot filho, ainda criança, emigrou com parentes para o Río da Prata, onde posteriormente fundou sua empresa portuária em Montevidéu. O encouraçado Graf Spee foi implodido na saída do porto de Montevidéu pelos próprios alemães, para evitar que caísse nas mãos dos britânicos e seu capitão suicidou-se em Buenos Aires.

Roberto Managau, uruguaio, reside em São Paulo desde 1982.
Dirige um espaço de arte uruguaia e é apaixonado por futebol,  guerras mundiais e outras curiosidades da história.
rj.managau@gmail.com

do mesmo autor

Leave a Reply