Gente que Cuenta

O Ciclone Negro – Roberto Managau

Marshall “Major” Taylor and Léon Hourlier at the Vélodrome Buffalo in Paris in 1909.
Gallica Digital Library

leer en español

Marshall Taylor nasceu em Indianápolis, Estados Unidos, em 1878. Aos 12 anos ganhou sua primeira bicicleta e começou a trabalhar com ela entregando jornais, vestido com uniforme militar infantil, o que lhe rendeu o apelido de “Major”. Executando manobras incríveis com seu velocípede, ele logo encontrou trabalho em uma loja de bicicletas.

Naqueles anos nos Estados Unidos, o ciclismo era uma atividade física extremamente popular, que enchia as ruas de torcedores em corridas e velódromos construídos para esse fim, com jornalismo especializado no assunto. O  outro esporte de que o público mais gostava era o boxe, enquanto que o basquete e o beisebol ainda não eram muito conhecidos,.

Marshall Walter Taylor, afrodescendente, tornou-se um exemplo de auto superação em uma circunstância racista, hostil e de apartheid naqueles anos. A princípio, sua paixão pelo ciclismo o levou a se infiltrar em corridas onde ciclistas negros não eram permitidos, surpreendendo juízes e entusiastas nas arquibancadas com seus tempos e habilidade. Disputando corridas não oficiais na adolescência, mesmo vencendo, foi vaiado e suas vitórias não reconhecidas, sendo até expulso dos locais.

O contexto sempre hostil o levou a se mudar para outra cidade, indo para uma Nova York cosmopolita, um pouco mais tolerante e menos provinciana, onde aos 18 anos se profissionalizou, sendo apelidado de “O Ciclone Negro” pela incrível série de vitórias. Marshall Taylor tornou-se o segundo campeão mundial negro da história (o primeiro foi o boxeador canadense George Dixon). Conquistou vários triunfos na Europa, sendo assim reconhecido mundialmente … menos em alguns locais dos Estados Unidos.

Taylor aposentou-se jovem das corridas em 1910, no auge dos 32 anos, exausto por “ter que lutar contra o monstro do preconceito racial, tanto dentro quanto fora das pistas”, como escreveu em suas memórias.

Roberto Managau, uruguaio, reside em São Paulo desde 1982.
Dirige um espaço de arte uruguaia e é apaixonado por futebol,  guerras mundiais e outras curiosidades da história.
rj.managau@gmail.com

do mesmo autor

1

Leave a Reply