Gente que Cuenta

O desenraizamento – Francisco Olivares

Inmigración italiana a Venezuela.
Fuente: La voce d’Italia

leer em espanhol

Após um ano e meio de reclusão por conta da pandemia, não pude recusar o convite para um encontro na casa de uma grande amiga cujo nome sempre vem acompanhado do sonoro sobrenome italiano entre os amigos íntimos. Deixando de lado o medo e o risco que um encontro significa nestes tempos difíceis, finalmente nos encontramos em uma casa aconchegante no leste de Caracas com rostos que escondem a alegria do encontro; mas com looks brilhantes que se destacam nas máscaras.

Depois  de abordar as questões dos livros do momento, a referência inevitável à política, a sobrevivência na Venezuela e da vida no confinamento forçado, veio a segunda taça de vinho e as deliciosas “picatas” servidas por nossa anfitriã.  A vista me levou a um pequeno baú de madeira muito antigo com bordas de metal com cerca de um metro de largura. Uma peça muito bem preservada que obviamente sugeria um profundo carinho por aquele móvel do passado. Acima, havia fotos retratando a história da família de origem italiana, evidentemente iniciada pelo homem no topo do álbum. O baú bem polido é o quanto o pai do meu amigo pode carregar do que restou da vida que ele deixou para trás ao fugir da Europa naqueles anos de fome e guerras.  Assim, o acaso o conduziu ao porto de Guaireño, na Venezuela, país que nem sequer conhecia nos mapas, mas cheio de esperanças sem entender que este ato intrépido de travessia do Atlântico o levaria a fazer parte da criação de um novo geração de cidadãos que se tornariam um dos mais preparados e seriam uma peça fundamental na construção da nascente democracia venezuelana que se tornou a referência de vida nova para milhares de europeus. Mas naquele baú repousam também os rostos dos seus netos e bisnetos que agora o meu amigo teve de olhar para longe porque repetiram o ciclo de migração para destinos diversos para não serem apanhados nesta outra guerra do desânimo, incerteza ou medo, dor sofrida pela outrora terra da esperança. Esta é uma lição que os latino-americanos e europeus não devem ignorar. A história que vivemos nos permite prever que, um dia, a Venezuela recuperará sua democracia; Mas, com a experiência de ter conhecido em carne própia a falsos messias que vendem miragens  de igualdade para roubar um país inteiro e isso fez com que os venezuelanos se tornassem a segunda maior população deslocada do mundo atrás da Síria.

Francisco Olivares   Jornalista. Ele trabalhou em várias equipes de pesquisa de liderança da mídia venezuelana. Ele escreveu vários livros que se referem ao processo sofrido pela Venezuela nestes 22 anos como Afiuni: a barragem do comandante; Os últimos dias de Hugo Chávez, As balas de abril e as contas ocultas.

Leave a Reply