Gente que Cuenta

“In vino veritas …” – Roberto Managau

Diego Velásquez, “Los borrachos”
1626-1628

leer en español

O jornalista e historiador espanhol Jesús Hernández Martínez é autor de várias obras sobre a Segunda Guerra Mundial. Mas, acima de tudo, ele se dedicou a nos contar anedotas e curiosidades que ocorreram durante o grande conflito e que dificilmente se encontram na bibliografia mais conhecida que aborda o assunto.

Chamaram a minha atenção, aqueles que se referiam aos encontros dos grandes líderes do lado aliado, que marcaram o destino do conflito, bem como definiram a futura geografia política da metade do mundo. Durante esses anos, podemos citar três dessas chamadas “conferências”.

Aliás, esses encontros devem ter nos afetado de forma indireta aqueles de nós que viemos ao mundo depois da grande guerra, mas por exemplo, na Conferência de Casablanca, no Marrocos, que durou dez dias, em janeiro de 1943, entre Franklin Roosevelt, Winston Churchill e Charles De Gaulle (e alguns assessores, imagino), esses líderes consumiram (em ordem de preferência), três caixas de uísque, três caixas de gim e uma caixa de conhaque, o que indicaria que o General de Gaulle possivelmente seria um pouco mais controlado do que os outros.

Na Conferência do Cairo, que durou quatro dias, em novembro de 1943, entre Roosevelt, Churchill e Chiang Kai Chek, foram consumidas quinhentas cervejas, trinta e quatro garrafas de gim, doze de conhaque e oito de uísque.

Finalmente, alguns meses antes do fim da guerra, em fevereiro de 1945, em Yalta (Crimeia, ao sul da antiga União Soviética), Roosevelt, Churchill e Stalin se encontraram por uma semana. Ao que parece, cabia aos ingleses “alimentar” o encontro, que inicialmente incluía cento e quarenta e quatro garrafas de uísque, e a mesma quantidade de garrafas de xerez de gim.

Como era pouco, um navio trouxe cerca de mil garrafas a mais dos mesmos destilados. No entanto, faltava mais e também variedade, e por isso chegou outro navio com vinhos, vermutes e champanhe.

Parece que a coisa era séria e o embaixador britânico se encarregou de enviar a Yalta, quarenta e oito garrafas de uísque, vinhos, conhaques e a infaltável cerveja.

Era necessário aliviar as tensões de alguma forma e assim vamos …

Roberto Managau uruguaio, reside em São Paulo desde 1982.
Dirige um espaço de arte uruguaia.

rj.managau@gmail.com

do mesmo autor

1

Leave a Reply